O que é o Disco de Freio?

Imagem de disco de freio

O que é o Disco de Freio?

11/04/2019

Há dois tipos de freio de carro: o freio a disco e o freio a tambor. O funcionamento do freio a disco se deve a dois componentes essenciais: o disco e a pastilha. Neste texto, vamos falar tudo sobre o disco de freio.

O que é o disco de freio?

O disco de freio é um disco de material sólido que fica acoplado ao cubo da roda de um carro com sistema de freio a disco.

O disco de freio age em conjunto com as pastilhas de freio. Esse sistema atua para reduzir a rotação da roda do automóvel, freando-o. Cada roda possui um disco acoplado ao seu cubo.

A seguir, veremos como funciona esse sistema, quais os tipos de disco de freio, e detalhes sobre quando fazer a manutenção dos discos.

De qualquer forma, é sempre importante lembrar: por mais que o seu carro esteja com a manutenção em dia, ter um seguro auto é essencial.

Como funciona o disco de freio?

Em linhas gerais, o funcionamento é simples.

O disco de freio é fixado ao cubo da roda, de maneira que gira juntamente com ela.

Cada disco de freio possui, acoplado a ele, um componente chamado pinça. No interior dessa pinça, ficam as chamadas pastilhas de freio.

Quando o pedal de freio é acionado, o fluido de freio circula pelo interior de um cilindro e transmite pressão para a pinça.

Essa pressão faz com que a pinça empurre as pastilhas contra o disco de freio. O atrito entre as pastilhas e o disco atua no sentido de reduzir a velocidade de rotação do disco. Como o disco fica preso à roda, esta também é freada.

Porém, como resultado do atrito entre o disco e as pastilhas, o disco esquenta muito, chegando facilmente a mais de 600 °C.

Portanto, no fundo, o sistema de freio a disco converte a energia cinética de movimento da roda em energia térmica (calor).

Constituição e refrigeração do disco de freio

O disco de freio é normalmente fabricado em ferro fundido. O material resiste às altas temperaturas produzidas pelo atrito com a pastilha durante a frenagem.

Também há discos fabricados em materiais cerâmicos, com ótima eficiência e durabilidade estendida. Porém, esses são bem mais caros. São usados em carros de Fórmula 1, por exemplo.

Alguns fabricantes usam materiais mais baratos para confeccionar o disco de freio. Porém, isso reduz sua eficiência, segurança e durabilidade.

A refrigeração do disco é feita por meio do ar à sua volta. Por isso, alguns discos possuem ranhuras e outras características que facilitam a passagem do ar.

Tipos de disco de freio

Os discos de freio são classificados de acordo com sua construção.

Discos de freio sólidos

São os mais antigos e mais baratos. Esse tipo de disco de freio é maciço, não possui nenhum tipo de ranhura para facilitar o resfriamento. Isso reduz sua eficiência, de maneira que são mais usados em carros compactos e leves.

Discos de freio perfurados

Este tipo de disco possui furos ao longo de sua superfície. Isso aumenta o atrito com a pastilha e favorece a refrigeração.

Os furos também permitem escoar a água da chuva rapidamente, devido à força centrífuga: com a rotação do disco, a água “sai pela tangente” e é expulsa pelas bordas.

Discos de freio estriados

Possuem ranhuras que funcionam como os furos dos discos perfurados.

Discos de freio ventilados

São discos que possuem um espaço vazio entre suas duas faces, favorecendo a ventilação.

Também são encontradas combinações entre esses tipos acima: discos de freio perfurados e estriados, perfurados e ventilados, etc.

Manutenção de discos de freio

Com o tempo, o disco de freio tende a se desgastar devido ao atrito. Assim, sua eficiência pode ser comprometida, e, com ela, a segurança do veículo e de seus ocupantes.

Assim, é muito importante fazer a manutenção preventiva e trocar as pastilhas de freio e os discos assim que surgirem sinais de desgaste.

Alguns fabricantes recomendam trocar o disco de freio a cada duas trocas das pastilhas. Outros sugerem trocar os discos a cada 50 mil quilômetros. Siga sempre a orientação do fabricante.

Em todo caso, pode ser uma boa ideia fazer uma revisão dos discos de freio a cada 10 mil quilômetros rodados. Se o disco estiver com trincas, ondulações ou apresentar corrosão, você deve substituí-lo.

Discos de freio empenados produzem trepidação, com o volante tremendo durante a frenagem. Portanto, fique atento a este sintoma.

Outro parâmetro indicativo de manutenção do disco de freio é a sua espessura, que diminui com o desgaste. Quando ela cai abaixo de 5 mm, está na hora de trocar.

E nada de trocar apenas um dos discos de um eixo! Troque sempre os dois. Lembre-se, é a sua segurança que está em jogo.

E, como segurança nunca é demais, não se esqueça de fazer também um seguro auto!

 

Última atualização em 11/04/2019