COTAR SEGURO ONLINE Bidu - Cotação e Comparação de Seguro e Crédito Online
-->
thumb image

Tudo sobre a Injeção Eletrônica

Saiba como economizar na contratação do seguro e escolher o melhor plano

Foi em 1988 que a injeção eletrônica fez a sua estreia no Brasil. O responsável pelo lançamento da nova tecnologia no país foi o Gol GTI, versão esportiva do famoso compacto produzido pela Volkswagen. Nos Estados Unidos, Europa e Japão, contudo, a injeção eletrônica substituiu o carburador e se popularizou uma década antes.

Cotação online de Seguro Auto

Injeção eletrônica para todos

Após o Gol GTI, a injeção eletrônica logo se disseminou entre os carros brasileiros. Em meados da década de 1990, praticamente todos os modelos nacionais eram equipados com o sistema. O carburador havia se tornado peça de museu e a injeção eletrônica estava em franca evolução, impulsionada pelo controle de emissões de poluentes cada vez mais rigoroso. Mas você sabe o que é e para o que serve a injeção eletrônica?

Controle de entrada

Basicamente, a injeção eletrônica controla a entrada de ar e de combustível no motor através de uma central eletrônica. Este controle é feito com a ajuda de diversos sensores, que passam à central diferentes parâmetros e informações, entre elas:

  • Qualidade do combustível
  • Pressão atmosférica
  • Temperatura ambiente
  • Temperatura do motor
  • Posição do acelerador, entre muitos outros.

Quem manda é a central

De posse dos dados enviados por estes sensores, a central eletrônica define quais as quantidades de ar e combustível serão admitidos pelo motor naquele momento, equilibrando o desempenho, o consumo e as emissões de poluentes. Tal equilíbrio é atingido por meio de atuadores, como injetores de combustível, bomba de combustível, bobina de faíscas, motor de passo e a ventoinha de arrefecimento. São estes elementos que corrigem o ponto de ignição e o comando das válvulas, além de controlarem a marcha lenta.

O motor funciona redondinho

Por ser eletronicamente controlada, a injeção eletrônica permite um funcionamento muito mais linear do motor. Ele ocorre sem falhas ou dificuldade de partida com o motor frio e com melhor desempenho e redução do consumo de combustível e das emissões. O sistema também dá menos defeitos do que o antigo carburador.

Manutenção menos frequente com injeção eletrônica

Outra vantagem da injeção eletrônica aparece na hora da reparação. A central eletrônica grava os erros enviados pelos sensores e atuadores e o reparador pode acessá-los e identificá-los através de um aparelho chamado scanner. Muitas vezes, o defeito pode ser corrigido através do próprio scanner, sem a necessidade de qualquer tipo de intervenção mecânica. Com o scanner, também é possível imprimir relatórios detalhados sobre as condições do motor.

Injeção eletrônica direta ou indireta?

Atualmente, existem dois tipos de injeção eletrônica. A mais antiga é a injeção indireta. Nela, o combustível é injetado em um duto, se mistura com o ar e é sugado para a câmara de combustão através da válvula de admissão. Ainda é o sistema mais utilizado nos carros brasileiros, mesmo nos últimos lançamentos, como o Chevrolet Onix 1.0 Turbo.

Já os motores mais modernos utilizam a injeção direta, que injeta o combustível dentro da câmara de combustão e diretamente na vela de ignição. Assim, é possível trabalhar com uma mistura pobre, na proporção 20:1 (vinte partes de ar para apenas uma de combustível), gerando maior economia e menor emissão de poluentes. A queima da mistura também é mais eficaz e resulta em maiores potência e torque. No Brasil, algumas marcas já apostam na injeção direta, entre elas a Ford, a Honda, a Hyundai, a Toyota e a Volkswagen.

Se cuidar bem vai longe

Como dito acima, o sistema de injeção eletrônica é muito mais confiável do que o antigo carburador e dificilmente dá problemas. Entretanto, um motor com injeção eletrônica não tolera desleixo com a manutenção periódica. Para que o sistema funcione sempre de maneira eficiente é importantíssimo seguir as recomendações do manual de proprietário quanto aos prazos para trocas de componentes.

Um depende do outro

Hoje, os sistemas de um automóvel são todos interligados e dependentes entre si. Ao ignorar a substituição de um item, outros acabam sobrecarregados e têm sua vida útil consideravelmente abreviada. Por exemplo: ao não trocar as velas, as bobinas, a bateria, o alternador e todo o sistema elétrico do carro passam a trabalhar mais para gerar a faísca correta para o motor. E, com isso, dão defeito mais rápido.

Fique de olho nos sinais

Apesar da facilidade com o uso do scanner, o diagnóstico de um defeito no sistema de injeção eletrônica nem sempre é fácil de ser feito. Isso porque a central eletrônica tem memória e “mascara” o defeito para o motor continuar funcionando corretamente. Porém, alguns sinais são bem claros:

  • Luzes de alerta da injeção eletrônica ou do motor acesas no painel;
  • Elevação do consumo de combustível;
  • Falhas no funcionamento e estouros no motor;
  • Perda da potência do veículo;
  • Dificuldade para dar partida;
  • Problemas com a marcha lenta.

Os principais defeitos

Os defeitos no sistema de injeção eletrônica mais comuns são:

  • Acúmulo de impurezas nos injetores;
  • Uso de combustíveis adulterados;
  • Filtro de combustível saturado;
  • Bomba de combustível superaquecida (por rodar sempre com o tanque quase vazio);
  • Problemas no catalisador;
  • Falhas na leitura da sonda lambda, localizada junto ao coletor de escape do carro;
  • Velas ou cabos de velas desgastados também são causas frequentes de falhas.

Seguro Auto

Caso você tenha problemas com seu veículo, muitas vezes a assistência 24 horas do seguro auto pode te ajudar. Se você ainda não tem um seguro para seu carro, faça uma cotação online de seguro auto na Bidu e escolha o melhor para você.

 

Última atualização em 19/05/2020