Como não entrar no cheque especial

Como não entrar no cheque especial e passar o mês com a conta do azul? Será que dá para resistir à tentação de ver um dinheiro extra disponível na conta corrente e não utilizá-lo? 

foto de pessoa com bolso vazio para ilustrar texto sobre como não entrar no cheque especial

Com organização e planejamento é possível não recorrer ao cheque especial no final do mês.

Na correria do dia a dia, muita gente nem se dá conta que entrou no cheque especial. Afinal, este é um tipo de crédito considerado como prático, porque fica “à mão” do correntista do banco. 

Mas é justamente pela facilidade em sua obtenção, que o cheque especial possui um dos juros mais altos do mercado. Seu valor fica lado a lado com o cobrado no rotativo do cartão de crédito

Quem não faz as contas, acaba pagando juros que ultrapassam os 300% ao ano! É por isso que não entrar no cheque especial é importante para manter o orçamento em equilíbrio. 

E dá para fazer isso hoje mesmo com algumas ações simples. Quer saber como? 

A gente te explica em 8 dicas!

O que é cheque especial? 

Antes de dar as dicas sobre como não entrar no cheque especial, vamos explicar o que é o cheque especial. Afinal, confundir o saldo que você possui em sua conta corrente com o valor do cheque especial é uma dúvida muito comum. 

Cheque especial é uma linha de crédito pré-aprovada que o banco oferece ao correntista. Esse dinheiro fica lá, disponível na conta e pode ser usado em algumas situações nas quais o saldo do cliente não é suficiente para cobrir alguma eventualidade financeira.

Por exemplo: você vai pagar uma conta e o seu saldo total não é o bastante. Nessa hora, o banco lhe empresta o dinheiro que está aprovado em forma de cheque especial para que você possa concluir a transação. 

A função desse limite de crédito seria, basicamente, dar uma forcinha em um momento de aperto. Entretanto, o que acontece na prática é que a desorganização financeira e/ou a falta de atenção faz com que o correntista use todo o seu limite como se esse dinheiro fosse dele. Mas, na verdade, não é. 

E tanta facilidade tem o seu preço. 

Como o dinheiro do cheque especial fica lá disponível na conta, prontinho para usar, os juros para quem toma esse dinheiro emprestado é um dos mais salgados do mercado. 

E pior, um estudo apresentado no Relatório de Economia Bancária, mostra que clientes de baixa renda usam mais o cheque especial. 

As novas regras do cheque especial

O cheque especial é, portanto, um recurso que deveria ser utilizado de forma temporária. Mas muita gente se enrola nesse tipo de linha de crédito por inúmeras razões. 

Tanto que, em 2018, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) desenhou regras mais transparentes para facilitar a vida do usuário.

Veja quais são:

  • O banco precisa avisar o correntista sempre que entrar no cheque especial; 
  • Ao utilizar mais de 15% do limite do cheque especial durante 30 dias seguidos, o cliente deverá receber do banco uma alternativa de crédito com juros menores; 
  • No extrato bancário, o limite do cheque especial deve vir separado para não ser confundido com o saldo disponível na conta corrente; 
  • A qualquer momento o cliente poderá negociar a dívida do cheque especial com o banco.

Mas mesmo com a implementação dessas medidas, com juros na casa dos 300% ano, todo cuidado é pouco para não entrar no cheque especial. 

Para ser mais fácil de entender o estrago que este tipo de crédito pode fazer em um orçamento, aqui vai um exemplo prático: 

Se você utilizar hoje R$ 1.000,00 reais do cheque especial, ao final de um ano, você terá pago ao banco R$ 4.000,00. Ou seja, você terá devolvido os R$ 1.000,00 reais emprestados e terá pago mais R$ 3.000,00 reais só de juros.

Como não entrar no cheque especial 

Com juros tão pesados, especialistas em finanças pessoais recomendam que as pessoas saiam do cheque especial o mais rápido possível para evitar aquela chamada “bola de neve” no orçamento. 

Mas tem jeito de não entrar no cheque especial? Tem sim, veja nesses 8 dicas de como não entrar no cheque especial:

1. Conheça bem suas finanças 

Acesse constantemente sua conta corrente para saber qual é o seu saldo de dinheiro e qual é o limite do cheque especial. Com as mudanças ocorridas em 2018, ficou mais fácil de identificar no seu extrato bancário essa informação. 

Sabendo direitinho o quanto você tem disponível, fica mais fácil ter o controle dos gastos e evitar usar um dinheiro que não é seu em situações corriqueiras do dia a dia. 

2. Use dinheiro ao invés do cartão de débito 

Pode parecer que não, mas quando estamos portando as cédulas de dinheiro, conseguimos visualizar exatamente o quanto estamos gastando e o quanto ainda nos resta. 

Esse hábito pode estar caindo em desuso. Porém, ele serve para oferecer mais segurança para quem tem alguma dificuldade em controlar o orçamento.

Afinal, uma única compra passada no débito pode te colocar mais perto do cheque especial, sem que você perceba. 

Está com dificuldade em ver o seu dinheiro durar até o dia 30? Leia também: como sobrar dinheiro no fim do mês

3. Se preciso, atrase o pagamento de uma conta 

Essa dica pode parecer contrária a todos os conselhos de organização financeira, mas não é, basta fazer a conta. Quando você atrasa o pagamento de alguma despesa, os juros que irão incidir durante esse período serão menores que os juros que correm sobre a utilização do cheque especial. 

Então, coloque na ponta do lápis o quanto você pagará de juros se atrasar o pagamento de uma conta. Veja também quanto serão os juros que o cheque especial irá lhe cobrar, caso você precise utilizá-lo. 

4. Diminua o limite ou cancele o seu cheque especial 

Essa dica é fundamental para quem ainda não tem uma boa organização financeira. Afinal, é mais fácil não entrar no cheque especial quando o limite é menor e/ou quando nem ao menos se tem limite para utilizar. 

Para isso, vá até o seu banco e converse com o gerente de sua conta. Se o uso do cheque especial é recorrente, vale a pena pensar em cancelá-lo. Caso o seu uso seja apenas esporádico, peça a redução do limite pré-aprovado. 

Evitar a tentação é mais fácil que sair dela!

5. Pague primeiro o cheque especial

Por vezes, é preciso de um dinheiro a mais em um determinado mês. Se isso acontecer e for preciso usar o cheque especial, pague prioritariamente essa dívida. 

Sim, é preciso entender que ao usar o cheque especial, uma dívida é contraída. Por isso, no mês seguinte, se esforce para quitá-la o quanto antes e evite incorrer no pagamento de juros altos. 

Alguns bancos oferecem até 10 dias corridos sem a incidência de juros. Mas no 11 dia, os juros de todo o período são cobrados. Por isso, fique atento!

6. Tenha um planejamento financeiro 

Se planejar financeiramente é a melhor forma de evitar o uso do cheque especial. Afinal, saber para onde está indo o seu dinheiro facilita o seu controle. Essa atitude evita que você tenha que recorrer a um dinheiro extra para dar conta dos compromissos assumidos. 

É possível controlar as entradas e saídas de dinheiro de uma forma prática e sem sofrimento. Uma dica é organizar todas as despesas fixas e gastos eventuais em uma planilha. Existem até aplicativos que dão uma forcinha nessa missão

7. Reserva de emergência: fique mais seguro

Essa é uma das melhores maneiras para não entrar no cheque especial. A reserva de emergência funciona no sentido de poupar um pouco dinheiro mensalmente até que esse montante possa ser usado em caso de eventualidades. 

Quando você tem uma reserva financeira, se acontecer alguma coisa, você poderá usar um dinheiro que já é seu e não solicitar um empréstimo de cheque especial ao banco.

É possível montar uma reserva financeira com pequenos ajustes na rotina: controlando as despesas e gastos e encontrando boas opções de investimento para ajudar o dinheiro a render. Essa é uma ótima dica de como não entrar no cheque especial.

Veja também quais são os melhores investimentos a curto, médio e longo prazo

8. Encontre opções mais baratas de crédito 

Agora que você já sabe que os juros para quem utiliza o cheque especial podem bater a casa dos 300% ao ano, a melhor opção é encontrar outras formas de crédito mais baratas. 

Se você já está usando o limite do cheque especial, pode optar pela obtenção de crédito pessoal, que tem uma média de juros em torno de 119,5% ao ano. Ou solicitar um crédito consignado (aquele que é descontado diretamente na folha de pagamento), que tem uma média de juros 22,5% ao mês, segundo medições feitas pelo Banco Central. 

Vale a pena pegar um empréstimo para não entrar no cheque especial?

A facilidade de utilização do cheque especial é um dos fatores que torna essa linha de crédito tão cara. Se você está precisando de um dinheiro extra, uma alternativa é procurar opções de crédito mais baratas, que sejam tão fáceis e rápidas quanto, e sem muita burocracia na aprovação. 

Uma das melhores opções é procurar o crédito pessoal. Basta ter seu nome limpo e documentos que comprovem renda em mãos que já é o suficiente para muitas instituições financeiras liberarem o dinheiro na sua conta.

Existem muitas empresas que concedem esse tipo de crédito. Para saber qual oferece mais vantagens, peça uma cotação online

Empréstimo Pessoal Online

Última atualização em 02/09/2019