Seg. a Sex. 9:00 às 18:00
(Horário de Brasília)

COE: O que é essa modalidade de investimento?

Imagem de celular com dados financeiros para ilustrar post sobre COE (Certificado de Operações Estruturadas)

COE: O que é essa modalidade de investimento?

Você já ouviu falar de COE (Certificado de Operações Estruturadas)? Trata-se de uma modalidade de investimento recente no Brasil. Mas que apresenta algumas vantagens interessantes para o investidor.

Se você busca diversificar seus investimentos, ou mesmo procura conhecer outras opções disponíveis no mercado, este texto é para você.

O que é COE (Certificado de Operações Estruturadas)?

COE significa Certificado de Operações Estruturadas.

Regulamentada em 2013, essa aplicação permite que o investidor aplique em ativos internacionais, como moedas estrangeiras. Além de ações e commodities, como milho, por exemplo.

Os COE são vantajosos para esse investidor porque possibilitam obter os ganhos mais expressivos das aplicações de renda variável. Porém, com a vantagem de ter menos riscos.

Veja abaixo como o COE funciona.

Prazos e riscos

Os COE são emitidos por uma instituição financeira, que os disponibiliza para os investidores.

Em essência, ao investir em COE, é como se o investidor estivesse emprestando dinheiro ao banco ou instituição que emitiu os certificados.

Há um prazo de vencimento definido para o resgate. Não é aconselhável resgatar o dinheiro antes do prazo, para não perder rendimento. Assim, é preciso pensar bem antes de investir em COE com prazos longos.

Além disso, há outro porém: se a instituição quebrar, o dinheiro é perdido. Por isso, convém escolher COEs emitidos por bancos grandes, pois o risco de falência é bem menor.

Renda variável com segurança

A rentabilidade dos COE se dá por meio de índices variáveis, como a variação cambial de uma moeda estrangeira ou o índice Ibovespa. Esse índice descreve o desempenho médio das ações na Bolsa de Valores de são Paulo.

Porém, os rendimentos possíveis costumam ser limitados. Na hora de escolher um COE para aplicar, preste atenção no Limite de Alta. E busque os maiores percentuais (se possível, maior do que 25% ao ano).

A vantagem em relação a aplicar diretamente em ações da Bolsa ou na compra de dólares, por exemplo, é que, da mesma maneira que há um limite de ganhos, há também uma garantia contra perdas.

Essa garantia significa que, no pior dos casos, o investidor não ganha nenhum rendimento, mas também não perde nada do montante inicial aplicado.

Exemplo de aplicação em COE

A título de exemplo, vamos imaginar o caso de uma pessoa que invista seu dinheiro em um COE com rentabilidade atrelada à variação do dólar, com teto de rendimento de 20%.

Assim, se a moeda americana subir em relação ao real por um percentual de até 20%, a pessoa receberá o valor investido acrescido desse percentual.

Se o dólar valorizar mais do que 20%, essa pessoa receberá apenas 20% sobre o valor investido, que é o teto de rendimentos.

No entanto, se, em vez de subir, o dólar vier a cair, a pessoa terá integralmente de volta o montante inicial investido, em vez de perder parte do dinheiro.

Como investir?

Para investir em COE, o investidor precisa ter conta em um banco que emita esses certificados, ou em uma instituição que opere com essa aplicação.

Para cada certificado de Certificado de Operações Estruturadas em que resolver investir, o investidor deve assinar o Documento de Informações Essenciais (DIE).

Esse documento especifica todas as informações do investimento, como a instituição emissora, a rentabilidade, o prazo, e demais regras. É importante analisá-lo bem antes de contratar!

E para quem busca mais informações sobre a Bolsa de Valores, veja nosso post sobre como investir na bolsa com pouco dinheiro.

Ou, saiba o que é e quais as vantagens da conta salário.