Seg. a Sex. 9:00 às 18:00
(Horário de Brasília)

LCI ou LCA? Qual a sua opção?

Imagem de moedas para ilustrar post sobre LCI ou LCA

LCI ou LCA? Qual a sua opção?

LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito Agropecuário) são duas aplicações de renda fixa consideradas seguras. Embora, como todo investidor já sabe, nunca se está isento de risco. As duas são sempre opção para aqueles que preferem investimentos com isenção de imposto de renda. Mas qual das duas é a melhor opção para investir? LCI ou LCA?

Segundo os especialistas, não há diferença para o investidor entre escolher uma ou outra. As duas apresentam formas de aplicação, remuneração e resgates parecidas. O que muda entre LCI ou LCA no caso, é o mercado para qual o dinheiro é utilizado.

A LCI é um título que capta recursos para o financiamento do mercado imobiliário. Ou seja, é lastreada por empréstimos dedicados a tal setor.

Já a LCA dirige os recursos captados para o setor agropecuário. Ou seja, é lastreada por empréstimos destinados ao agronegócio.

LCI ou LCA? O que eles têm em comum

Em geral, os títulos LCI e LCA são apresentados em conjunto. Como já dissemos, eles têm características parecidas, apesar de serem usados para financiar setores distintos.

As duas opções, LCI ou LCA, têm isenção de imposto de renda para pessoa física, não importa o prazo de vencimento. Esse aspecto costuma atrair os investidores.

Tratam-se, também, de investimentos de baixo risco (esse aspecto deve levar em conta o banco emissor). Eles não têm taxas de administração e que contam com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC)

O FGC “banca” o investidor até o valor máximo de R$ 250 mil aplicados por CPF e instituição financeira caso ocorram imprevistos graves como, por exemplo, a intervenção ou falência do banco em que o investimento foi feito.

Ambas apresentam três tipos:

– Prefixada: juro fixo anual – (o investidor sabe quanto renderá na ocasião do resgate);

– Pós-fixada: percentual do Certificado de Depósito Interbancário (CDI), que segue de perto a Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira – (o investidor só saberá o quanto rendeu no resgate);

– Híbrida: com juro fixo anual + variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – (o investidor só saberá o quanto rendeu no resgate).

Atenção aos prazos

O resgate da LCI ou LCA também segue o mesmo formato e existe uma carência que deve ser obedecida.

Para evitar surpresas, é indicado verificar essa informação nos bancos em que será feita a análise.

Há bancos que dão, por exemplo, carência de 90 dias. Já outros trabalham com prazos maiores.

Além de analisar o que as instituições financeiras oferecem, é certo que o investidor em potencial deve avaliar os próprios recursos. Isso porque eles serão destinados à aplicação por um determinado período.

Importante: além dos bancos, os títulos LCI ou LCA também são distribuídos pelas corretoras. Enquanto os primeiros em geral vendem os papéis emitidos por eles próprios, as corretoras distribuem papéis de vários bancos, facilitando o acesso aos mais rentáveis.

Desvantagem

Em geral, LCI e LCS só podem ser regatadas na data de vencimento. Então, a liquidez é a grande desvantagem dessas opções, já que não será possível contar com o dinheiro investido caso precise dele antes da hora.

Conclusão: LCI ou LCA?

O importante é avaliar dois aspectos. A rentabilidade dos papéis e a solidez da instituição responsável pela emissão dos títulos.

Isso mesmo. É preciso analisar com cuidado as instituições, escolhendo aquelas que apresentam resultados positivos e que oferecem menos riscos.

Investir exige, sim, muita dedicação e informação!

Aproveitando o tema de investimentos, leia nosso post sobre investimentos na previdência privada.