Seg. a Sex. 9:00 às 18:00
(Horário de Brasília)

Perfil de investidor: como identificar que tipo eu sou?

Imagem de cédulas para ilustrar post sobre perfil de investidor

Perfil de investidor: como identificar que tipo eu sou?

Você investe todo o seu capital em ações? Ou prefere apostar na tradicional Poupança? Diversificar, talvez? Afinal, qual é o seu perfil de investidor?

Pois é, são as escolhas pelos diversos tipos de investimentos que dão nome ao perfil de investidor que existe em cada um de nós.

Para o mercado, três palavras definem a questão: conservador, moderado e arrojado. São esses os tipos utilizados no dia a dia de atuação das instituições financeiras e demais agentes de investimento (há quem inclua outros perfis como, por exemplo, dinâmico).

E é preciso contar com uma metodologia para identificar o melhor produto de investimento para cada um. Mas como fazer isso?

Imagem de cédulas para ilustrar post sobre perfil de investidor

Perfil de investidor: como identificar que tipo eu sou?

API, peça fundamental

Tecnicamente, o método que determina os perfis – e que é usado no mercado – recebe o nome de API (Análise de Perfil de Investidor).

Ele nada mais é do que um questionário criado pelas instituições e agentes financeiros. Não é um documento padrão. Portanto, pode trazer perguntas diferentes, dependendo da instituição.

O que vale é que o API tem uma proposta única para todas: analisar a capacidade. Ou mesmo a tolerância que cada investidor tem de correr certos riscos em se tratando do seu próprio capital.

Para obter essa informação, o preenchimento do API é fundamental, mas nunca definitivo. Ele leva em conta o atual momento de vida do investidor, idade, valor disponível para aplicar, seus objetivos, entre outras questões relevantes e que contribuirão para o investidor ficar confortável com o tipo de investimento adotado.

Afinal, é imprescindível que o investimento do capital esteja sempre em sintonia com o que o que foi planejado pelo investidor. Assim minimizamos as surpresas no meio do caminho.

Isso significa, por exemplo, que o investidor saberá os riscos que correrá, tendo a dimensão dos mesmos (caso tenha o perfil de correr riscos). Mas atingirá, dessa forma, os objetivos estabelecidos.

Perfil de investidor

Após o preenchimento do API – em geral são realizados nos sites das instituições – o investidor pode ser enquadrado, geralmente, em três tipos de perfis, já que há outros perfis definidos por certas instituições.

Neste caso, vamos mencionar os três perfis de investidor usualmente encontrados: conservador, moderado e arrojado.

Conservador

Aqui entram os investidores que preferem ter segurança e a possibilidade de maior liquidez nos investimentos. Mesmo que, para isso, abram mão de alta rentabilidade.

Em geral, são os investidores que buscam opções de renda fixa, mas que também transitam pelos de renda variável.

Moderado

São investidores que não optam por correr algum risco, apesar de também apreciarem a segurança dos investimentos de renda fixa. Desejam, em geral, obter retorno acima da média.

Então aceitam um risco um pouco maior do que o conservador. Os investimentos de renda variável aparecem mais dentro desse perfil.

Arrojado

Aqui estão os investidores que têm conhecimento e assumem a responsabilidade de correr riscos para obter o retorno que desejam.

Entretanto, segundo os especialistas, esse perfil apresenta investidores que correm apenas riscos calculados, que estejam de acordo com o planejamento de longo prazo.

Conclusão

Preencher o API, como vimos, é importante, já que se trata de uma ferramenta para o dia a dia da relação investidor/banco.

Ele facilitará a escolha do melhor produto para cada perfil de investidor. Entretanto, o API deve ser revisitado já que o perfil de investidor pode sempre mudar mediante os novos objetivos e estratégias adotadas.

Se informe, ainda, com nosso post sobre Tesouro Selic. Ou sobre o COE (Certificado de Operações Estruturadas). + Qual a melhor aplicação financeira para 100 mil reais.