Vacinas estão cobertas pelos Planos de Saúde?

Você já tomou vacina sem custo algum, apenas utilizando o seu plano de saúdeSerá que convênio cobre vacina ou, ao menos, faze reembolso quando esse procedimento é necessário?

Imagem de pessoa tomando vacina para ilustrar texto que fala se convênio cobre vacina

Os planos de saúde não possuem a obrigatoriedade de cobrir vacinas.

É de conhecimento geral que as vacinas são uma das mais utilizadas formas de obter proteção de inúmeras doenças causadas por agentes infecciosos (vírus e bactérias).

Elas são um dos mais importantes recursos à disposição da população. Porém, mesmo assim, as vacinas não constam no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que regula os planos de saúde em nosso país.

Convênio cobre vacina?

Todos os procedimentos, exames e tratamentos que têm cobertura obrigatória pelos planos integram esse Rol da ANS. Infelizmente, a vacinação não faz parte dessa lista.

Apesar da não obrigatoriedade, há planos de saúde que podem oferecer esse benefício. Porém, isso deve ser verificado assim que o beneficiário tem acesso ao contrato de adesão.

Há situações, por exemplo, em que o convênio cobre vacina de uma outra forma, através do reembolso completo ou parcial da vacinação.

Casos em que o Convênio cobre vacina

Mesmo não sendo obrigatório oferecer as vacinas pelos convênios médicos, há uma que deve ter a cobertura em todo plano de saúde: a PPD (Tuberculina), IDER.

Trata-se de uma vacina aplicada para a prevenção de casos de caxumba, hipersensibilidade retardada candidina e estreptoquinase-dornase. Mas ela ainda pode ser usada contra a tuberculose, tricofitina e vírus vacinal.

A PPD (Tuberculina), IDER, diferente das demais vacinas, é obrigatória ser ministrada pelos planos de saúde. Ela integra o Rol de procedimentos da ANS, sendo a única a constar na lista. Portanto, o convênio cobre vacina nesse caso sim.

Vacinação gratuita

Apesar de a resposta para a dúvida se convênio cobre vacina normalmente ser negativa, existe uma saída.

O Sistema Único de Saúde (SUS), coloca à disposição de todo cidadão, uma grande gama de vacinas, gratuitamente.

Para saber as datas em que as vacinas são ministradas, basta acompanhar o Calendário Nacional de Vacinação. Esse calendário é sempre divulgado no início de cada ano. Ele apresenta os períodos de vacinação para uma série de doenças.

É válido também acompanhá-lo ao longo do ano, pois pode haver mudanças de datas. Além disso, há ocasiões em que são realizadas as campanhas de vacinação específicas, principalmente quando ocorrem surtos em determinadas regiões do país.

Vacinas na rede particular

Como você já viu, o convênio cobre vacina somente em situações específicas. Porém, além das campanhas de vacinação do SUS, as vacinas também podem ser encontradas na rede particular, em clínicas especializadas em vacinação.

Essas clínicas particulares são supervisionadas pela Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

As vacinas podem ser encontradas o ano todo nessas clínicas, porém, não são gratuitas. Vale fazer uma pesquisa antes de ir até uma delas, pois os valores diferem e não costumam ser baixos.

Outra opção são os Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (Cries). Eles foram criados para atender pessoas com doenças crônicas mas que estão em faixas etárias que não entram nas faixas que são alvos das campanhas de vacinação.

Planos de saúde X surtos

Mesmo não sendo uma obrigatoriedade, alguns planos de saúde oferecem vacinas esporádicas. Principalmente em casos de surtos, convênio cobre vacina em algumas situações.

Por isso, vale verificar se o seu convênio cobre vacina, por exemplo, quando no inverno é ministrada a vacina contra gripe.

Outra dica: verifique se o seu plano de saúde tem parceria com alguma clínica de vacinação particular. Há casos em que o beneficiário conta com descontos nessas clínicas ou mesmo reembolso total.

Tipos de vacinas

Quando uma pessoa é vacinada, ela recebe um vírus ou uma bactéria modificada.

São esses agentes que estimulam o organismo a criar anticorpos, ou seja, células defensoras contra eles. Caso esse mesmo organismo seja atacado por esses mesmos vírus ou bactérias, estará apto a combatê-los.

Existem hoje, no mercado, quatro tipos de vacinas.

  • Vacina Inativada: produzida por meio de bactérias ou vírus mortos por um processo químico.
  • Vacina Atenuada: conta com agentes ainda vivos, mas mais fracos, que não têm a capacidade de provocar a doença.
  • Vacina Combinada: tem mais do que um agente infectante. Podemos citar como o exemplo a vacina SCR, que promove a imunização contra o sarampo, rubéola e caxumba.
  • Vacina Conjugada: utiliza agentes patogênicos para que possa obter uma resposta do sistema imunológico.

 

Última atualização em 07/05/2019