Não tenho como pagar Plano de Saúde. E agora?

Imagem de remédio para ilustrar texto sobre como fazer quando não consegue mais pagar plano de saúde

Não tenho como pagar Plano de Saúde. E agora?

O plano de saúde é um investimento silencioso em grande parte do tempo. Uma parcela da população, por exemplo, só tem acesso a um plano de saúde pela primeira vez na forma de benefício, oferecido pela empresa onde trabalha. Em um cenário econômico mais restrito, qualquer um pode se encontrar na situação de não conseguir mais pagar plano de saúde. 

Quando isso ocorre, o que podemos fazer? Mostraremos abaixo o que acontece com o seu plano de saúde em caso de inadimplências. Como você pode se prevenir para evitar essa situação. 

Imagem de remédio para ilustrar texto sobre como fazer quando não consegue mais pagar plano de saúde

Quem não pode mais pagar plano de saúde deve avaliar se tem como negociar ou redimensionar o plano.

Cotação Online de Planos de Saúde

Planejamento para conseguir pagar plano de saúde

Todo planejamento financeiro pessoal considera as despesas fixas e variáveis que devem acontecer dentro de um mês. No que diz respeito aos planos de saúde, muitas pessoas não consideram o seu custo-benefício. Ou até mesmo esquecem de contabilizá-lo nesse planejamento.

Em outros casos, é necessário fazer cortes em custos extras no planejamento financeiro. Muitas vezes, o plano de saúde é um dos primeiros a ser cortado do orçamento. 

Pessoas que realizam poucas consultas no mesmo período, cerca de três ao longo do ano, estão desembolsando bem mais no plano do que se tivessem pago a consulta privada. Isso tem deixado alguns brasileiros avessos ao plano de saúde. Segundo reportagem publicada na Folha de S. Paulo, mais de 2,5 milhões de pessoas ficaram sem plano de saúde nos últimos anos.

Estou inadimplente, o que fazer?

Quando o titular do plano torna-se inadimplente e não consegue pagar plano de saúde, é obrigação da empresa que oferece o serviço comunicar a pessoa antes de realizar qualquer cancelamento ou corte na cobertura. Essa comunicação deve ser feita até o 50º dia de inadimplência.

O contrato do plano de saúde, segundo lei nº 9656/98, só pode ser cancelado em casos de falta de pagamento da mensalidade em período superior a 60 dias. Esses dias podem ser consecutivos ou não, nos últimos 12 meses da vigência do contrato. 

Qualquer rescisão de contrato que seja feita sem a notificação prévia do titular é ilegal e abusiva. 

Na notificação, a empresa deve informar o período em que houve inadimplência. Também deve informar sobre o risco de o plano de saúde ser cancelado. 

O consumidor deve ter muita atenção ao deixar que seu plano seja cancelado. Em muitos casos onde há o cancelamento, não é fácil restabelecer o preço antigo contratado. Mesmo com reajustes anuais, dificilmente os preços de novos contratos serão iguais ao que o consumidor estava acostumado a pagar antes do cancelamento.

Caso seja identificado abuso por parte da empresa, a melhor forma de reaver o contrato é por meio de uma ação judicial. 

A negociação prévia pode evitar grandes prejuízos

Quando não há mais como pagar plano de saúde, a primeira coisa a fazer é entrar em contato com a empresa que fornece o serviço. Assim, é possível realizar o cancelamento ou negociação da taxa mensal. 

Dependendo da forma como a empresa monta os seus planos de saúde, é perfeitamente possível fazer uma alteração de plano para tentar diminuir o valor das mensalidades. Lembre-se, porém, que preços mais baixos também podem significar menor cobertura.

Caso o consumidor encontre outra opção de plano de saúde mais em conta na concorrência, ele deverá ficar atento ao contrato do seu plano atual. Observe possíveis períodos de carência ou taxas de rescisão de contrato antes de qualquer mudança. Em alguns casos, as taxas podem não compensar a alteração, custando mais do que a permanência no plano atual.  

Outra opção é alterar a categoria do plano. Algumas empresas oferecem modalidades diferentes, como a coparticipação

Esse tipo de plano de saúde tende a possuir mensalidades mais baratas. Isso ocorre por conta da divisão do valor das consultas entre empresa e o titular do plano. O que pode ser mais indicado para quem não utiliza com tanta frequência o plano de saúde, mas não quer abrir mão completamente da facilidade. 

Cancele o plano de saúde apenas em último caso

Quem pensa que está fazendo uma grande economia desistindo do plano de saúde, pode estar entrando em uma grande cilada. Além de permitir um atendimento diferenciado e mais completo, a cobertura oferecida por muitos planos pode ser bastante vantajosa em casos de atendimentos de urgência. Internações e procedimentos mais específicos costumam ser bem mais caros no privado.

Ao invés de um gasto, o plano de seguro deve ser encarado como um investimento a longo prazo. Claro que, ao verificar qualquer descompasso entre o que está sendo desembolsado e o uso real do plano, é possível achar formas de economizar como mostramos acima.

Última atualização em 02/07/2019