Seg. a Sex. 9:00 às 18:00
(Horário de Brasília)

Quando devo ir ao pronto-socorro?

Desenho de maleta médica para ilustrar texto sobre quando ir ao pronto-socorro

Quando devo ir ao pronto-socorro?

Já sabemos que com a saúde não se brinca. Mas, mesmo com todos os cuidados, pode acontecer um episódio clínico que inspire cuidados de urgência ou emergência. E, nessa hora, pensamos logo em ir até um pronto-socorro. Mas você sabe quando ir ao pronto-socorro é realmente necessário?

Desenho de maleta médica para ilustrar texto sobre quando ir ao pronto-socorro

Nem sempre ir ao pronto-socorro é uma boa opção.

De fato, há quadros que exigem cuidados médicos imediatos. Entretanto, há casos em que procurar o atendimento de urgência nem sempre é a melhor opção.

Um pronto-socorro é um local voltado para prestar cuidados médicos nas situações que podem oferecer perigo imediato à vida do paciente. Ou, quando o agravamento do caso oferece risco de complicações das lesões, acarretando danos permanentes.

Saber quando é necessário procurar um atendimento rápido é motivo para muitas dúvidas. Você sabe quando ir ao pronto-socorro? Já se deparou com uma situação que necessite de cuidados de urgência ou emergência?

Além disso, você sabe quais hospitais que fazem parte da cobertura do seu plano de saúde? Se não tem ainda um convênio, veja os passos para escolher o melhor plano para você.

Qual a diferença entre urgência e emergência?

Já que o assunto é avaliar quando ir ao pronto-socorro, é importante que você conheça bem as diferenças entre atendimento de urgência e de emergência.

Vamos tratar a seguir da definição destes dois termos no âmbito da medicina:

O que é uma urgência médica?

Uma urgência é uma situação imprevista de dano à saúde, que pode ou não oferecer potencial risco de morte. O paciente que está enfrentando um caso considerado como urgente precisa receber assistência médica rápida.

Isso significa que, nesses casos, o atendimento, diagnóstico e tratamento não podem ser adiados. Se forem, pode haver ameaça de agravamento do caso, podendo até vir a se tornar um caso de emergência.

A urgência é sempre caracterizada por circunstâncias consideradas como sérias ou graves, que inspiram cuidados prioritários e que demandam uma solução rápida.

Na dúvida sobre quando ir ao pronto-socorro, a resposta para casos de urgência é que sim, é necessário.

O que é uma emergência médica?

A emergência é uma ocorrência súbita e imprevista. Ela é representada por um quadro clínico crítico, grave e perigoso, que demanda de atendimento imediato.

Um paciente que está enfrentando uma emergência médica está em um estado de sofrimento intenso e/ou possui um risco iminente de morrer. Há também a chance de agravamento do quadro, com possibilidade de instauração de danos permanentes.

É por isso que os casos de emergência exigem solução imediata. Caso contrário, a sobrevivência do paciente pode estar ameaçada dentro de um curto prazo, geralmente, em poucos minutos.

Emergências médicas também fazem parte dos quadros quando ir ao pronto-socorro é necessário.

Deu para entender a diferença?

Seja um caso classificado como urgência ou como emergência, ambos os quadros demandam de atendimento médico rápido e são casos onde é necessário ir ao pronto-socorro. A diferença é que a emergência oferece risco iminente de morte ou lesão permanente, na ausência de cuidados adequados.

Já as ocorrências de caráter urgente necessitam de tratamento médico e muitas vezes de cirurgia. Entretanto, nem sempre demandam uma intervenção instantânea.

Pode-se definir conceitualmente que as emergências estão relacionadas à situações mais graves que as urgências. E, para cada caso, existe uma opção de atendimento.

Os atendimentos emergenciais e/ou de urgência são prestados no pronto-socorro. É por isso que é necessário compreender quando se deve procurar por esse tipo de atendimento.  

Para que você possa compreender melhor, separamos aqui alguns exemplos de ocorrências e estados de saúde que são considerados como urgência e emergência.

Exemplos de emergência

Para continuarmos a entender quando ir ao pronto-socorro é necessário, vamos a alguns exemplos de emergência.

Como vimos, um caso é considerado como emergência quando é potencialmente grave. São casos onde há ameaça e perigo à vida se não houver a intervenção médica imediata.

São consideradas emergências casos como:

  • Hemorragias;
  • AVC (Acidente Vascular Cerebral);
  • Parada cardiorrespiratória;
  • Dores agudas no peito;
  • Infarto;
  • Fraturas expostas;
  • Acidentes de trânsito;
  • Ferimentos à bala.

Exemplos de urgência

Já vimos também que os casos urgentes necessitam de intervenção médica, mas com um caráter menos imediato.

Exemplos:

  • Fraturas não expostas;
  • Cólicas renais;
  • Aumento de pressão arterial;
  • Pancadas na cabeça;
  • Luxações e torções;
  • Intoxicações agudas;
  • Queimaduras.

Quando ir ao pronto-socorro?

Agora que entendemos bem o conceito de urgência e emergência fica mais fácil de avaliar quando ir ao pronto-socorro..

Como vimos, o que há em comum nos casos de urgência e emergência é o fator “imprevisibilidade”. Ou seja, tratam-se de situações inesperadas. Elas são decorrentes, muitas vezes, de acidentes ou complicações críticas em quadros de doenças pré-existentes e que exigem atendimento médico rápido ou imediato.

Esses são os casos que devem ser tratados em um pronto-socorro, pois não podem aguardar pelo agendamento de uma consulta marcada.

Então, para poder fazer a melhor opção entre procurar ou não um pronto-socorro, deve-se ficar atento aos sintomas incomuns e agudos. Esses sinais devem passar por uma avaliação médica imediata:

Alguns casos mais comuns são:

  • Dores intensas em qualquer parte do corpo;
  • Dificuldade em respirar;
  • Febre alta;
  • Palpitações;
  • Picadas de animais peçonhentos;
  • Reações alérgicas;
  • Traumas e lesões.

Porém, há casos de menor gravidade como dores leves, mal estar, gripes e tosses, por exemplo. Esses casos podem aguardar pelo agendamento de uma consulta para serem diagnosticados e tratados com mais especificidade.

Outras situações são aquelas onde o problema é de origem crônica ou que apresenta sintomas persistentes. Nesses casos, o mais recomendável é que o paciente procure o agendamento de uma consulta com um médico especialista.

Essa é a solução mais eficaz, pois esse profissional poderá analisar criteriosamente o histórico clínico e solicitar os exames necessários para a prescrição de tratamento mais adequado.

Afinal, o médico do pronto-socorro nem sempre consegue oferecer a mesma investigação no diagnóstico e no monitoramento do tratamento.

Alguns casos comuns que devem ser encaminhados para médicos especialistas:

  • Dores articulares;
  • Lombalgias;
  • Enxaqueca.

Quando ir ao pronto-socorro não é uma boa opção?

Há casos quando ir ao pronto-socorro pode não ser uma boa. Quando não houver indícios de que você está diante de um quadro de urgência ou emergência, a ida ao pronto-socorro deve ser evitada.

Isso porque os casos de saúde que apresentam evoluções previstas são melhor acompanhados por médicos especialistas.

Ao procurar um pronto-socorro deve-se ter em mente alguns pontos.

Primeiro que o profissional que irá prestar o atendimento é treinado para afastar a gravidade dos casos. Ele não está lá para fazer a investigação completa de um diagnóstico.

Além disso, um pronto-socorro não é o melhor local para solicitar exames periódicos e fazer a troca de receitas.

Uma ida desnecessária ao pronto-socorro também pode expor o paciente a um maior risco de contrair uma doença infectocontagiosa. Além disso, também implica no aumento do tempo de espera de outros pacientes que estejam em situações mais graves.

Por isso, ao entender quando ir ao pronto-socorro, a resposta é simples. É recomendável recorrer a um pronto-socorro somente quando estiver em uma situação de urgência ou emergência.

O que você precisa saber sobre o atendimento no pronto-socorro

Já vimos quando ir ao pronto-socorro não é recomendado. Mas, há situações em quem que precisamos receber cuidados médicos imediatos.

Quem nunca enfrentou uma dor aguda ou se acidentou, não é mesmo? Essas são situações imprevistas e passíveis de acontecer com qualquer pessoa.

Algumas causas mais comuns de procura do pronto-socorro são:

  • Ferimentos causados por objetos cortantes;
  • Torções;
  • Queimaduras na pele;
  • Dores na coluna;
  • Infecções: na garganta e no trato urinário;
  • Gripes fortes;
  • Enxaquecas;
  • Dores abdominais: cálculos renais, intoxicação alimentar, náuseas e vômitos.

Suportar os sintomas dessas situações que listamos acima não é nada fácil. Por isso, estão entre as queixas mais comuns em pronto-socorros o tempo de espera e a falta de atenção na triagem.

Entretanto, é importante que se saiba que existem várias ferramentas de classificação de risco. Elas são utilizadas em pronto-socorros de todo o Brasil e que determinam a gravidade e prioridade para cada caso.

Entre as mais comuns estão a que identificam o risco em 5 níveis. Assim, determinam o prazo que será compreendido entre a chegada, a triagem e o atendimento médico do paciente.  

O Conselho Federal de Medicina (CFM) na Resolução CFM nº 2.077/14 estabelece também as regras para atendimentos em prontos-socorros e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Entre outras questões, a normatização contempla o dimensionamento da equipe médica e a organização do sistema de trabalho.

A determinação dispõe sobre o tempo de espera do paciente em um pronto-socorro, que não deve ultrapassar duas horas. O texto também aborda a permanência no serviço de quem estiver aguardando alta médica, internação ou transferência, que não pode ser superior a 24 horas.

Guia para o melhor atendimento em pronto-socorro

E se você estiver diante de uma urgência ou emergência, vale a pena prestar a atenção nessas dicas no momento de ir até um pronto-socorro:

  • Leve seus documentos de identificação e carteirinha do plano de saúde;
  • Leve um acompanhante junto com você;
  • Se você estiver diante de uma emergência chame uma ambulância. Não vá dirigindo até o pronto-socorro, mesmo que você acredite que esteja em condições de fazer isso;
  • Se você já tiver passado pela triagem e os seus sintomas se agravarem ou outros aparecerem, avise imediatamente a recepção;
  • Se o motivo de sua urgência ou emergência estiver relacionado ao agravamento de algum quadro clínico já conhecido, forneça seu histórico de exames para o médico;
  • Ao passar pelo atendimento, não se esqueça de mencionar o uso de medicações contínuas. Para facilitar, mantenha uma lista sempre à mão na sua carteira;

Aplicativo que mede o tempo da fila de espera em pronto-socorro

Se você já decidiu quando ir ao pronto-socorro, alguns itens podem facilitar sua vida.

Com a vida moderna, até a necessidade de fazer uso do pronto-socorro ganha um toque de inovação. O aplicativo SOSPS dá uma ajudinha para quem está diante de uma urgência.

Ele calcula o tempo de espera em diversos pronto-socorros. Ele também informa quais são os PSs mais próximos e, também, o tempo do deslocamento até o local.

O aplicativo está em funcionamento na cidade de São Paulo e na região Metropolitana e avalia somente hospitais privados. O aplicativo vale somente para os casos de urgência.

Como ter acesso aos melhores hospitais e pronto-socorros do país?

Agora que vimos quando ir ao pronto-socorro sabemos que os casos de urgência e emergência são aqueles que acontecem de forma imprevista, é melhor se precaver.

A melhor forma de fazer isso é contar com um plano de saúde, que pode lhe dar acesso aos melhores hospitais e pronto-socorros do Brasil.

Assim, você não é pego de surpresa no caso de alguma emergência hospitalar ou em alguma necessidade de atendimento médico.

Conheça também os benefícios da modalidade do plano hospitalar.