Seg. a Sex. 9:00 às 18:00
(Horário de Brasília)

Odontogeriatria: cuidando da saúde bucal na terceira idade

Não é porque a idade chega que os cuidados com a saúde bucal precisam ser deixados de lado. Você já ouviu falar na odontogeriatria? É uma modalidade especializada em garantir saúde e sorrisos para pessoas da terceira idade.

Imagem de casal de idosos sorrindo para ilustrar texto sobre odontogeriatria.

A odontogeriatria é a especialidade que cuida da saúde bucal na terceira idade.

O que é odontogeriatria?

A odontogeriatria é um dos ramos da odontologia, que tem como foco prevenir os problemas comuns e cuidar da saúde bucal de pessoas que já passaram dos 60 anos. Os tão queridos membros da terceira idade.

Assim como as crianças são atendidas por um odontopediatra, os idosos podem ter um cuidado especial através do odontogeriatras.

Especialistas da odontogeriatria buscam fazer um acompanhamento preventivo, paliativo e curativo. O objetivo é evitar que complicações bucais possam interferir na saúde geral dos idosos.

A saúde bucal pode interferir, em qualquer idade, na nossa saúde como um todo. Um problema bucal pode desencadear inclusive doenças sistêmicas. Nos idosos, as mais comuns são diabetes, problemas vasculares, endócrinos, osteoporose, artrose e artrite.

Por isso, é de grande importância manter uma visita constante a esses profissionais. Assim, nos primeiros sinais de problema, ele pode ser resolvido antes que atinja graus mais elevados.

Importância da odontogeriatria

A odontogeriatria surgiu nos Estados Unidos, na década de 60. Mas foi apenas na década de 80 que passou a ser considerada uma modalidade acadêmica. No Brasil, essa especialidade surgiu apenas no final dos anos 90.

Esse retrato histórico se faz necessário para ressaltarmos a importância de termos uma especialidade odontológica para esse grupo. Afinal, a expectativa de vida do brasileiro e de todos no mundo, aumentou significativamente. Hoje o país já conta com mais de 30 milhões de idosos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para os idosos, contar com especialistas para a sua faixa etária que tenham a sensibilidade em prestar um serviço mais específico é fundamental. Isso porque a sua mente e seu corpo começam a responder e refletir ao acúmulo de experiências e do seu histórico de saúde, merecendo uma atenção especial.

Veja algumas mudanças comuns da terceira idade que podem ser melhor avaliadas em um odontogeriatra.

Perda dos dentes

Ao contrário do que muitos imaginam, essa perda dos dentes não acontece por fatores naturais. Ela ocorre por um acúmulo de problemas na higiene e da saúde da boca, seja anterior a terceira idade ou do presente momento. Na terceira idade isso pode ocorrer em consequência de menor destreza muscular e manual para realizar a limpeza, por exemplo.

Como consequência, fica mais fácil a contaminação por germes e bactérias que desenvolvem as cáries e outras doenças periodontais que ocasionam a perda dos dentes.

Fragilidade na língua

Com o passar dos anos, a nossa língua perde a tonicidade e passa ser menos forte, dificultando tarefas como a fala e a alimentação.

Redução de saliva

A saliva também sofre uma redução na sua produção com o passar dos anos. Isso implica em problemas com proteção do esmalte dos dentes, a halitose, ou seja, mau hálito, e problemas na alimentação também.

Perda de paladar

A sensibilidade gustativa passa a ser reduzida. Por conta disso, é muito comum que pessoas nessa condição exagerem no sal, açúcar e temperos, para tentar realçar os sabores dos alimentos. O consumo excessivo desses itens pode provocar diferentes problemas a saúde da boca e também ao corpo.

Com qual frequência devo visitar o odontogeriatra?

É recomendado que as visitas sejam feitas pelo menos a cada seis meses, salvo as exceções em pessoas que já passam por algum tipo de tratamento ou possuem uma recomendação médica mais específica.

O importante é manter esse acompanhamento entre as atividades frequentes com os cuidados com a saúde. Além disso, é essencial não deixar de seguir as orientações médicas.

O idoso também pode contratar um plano odontológico. Vale a pena orçar um e verificar os melhores planos para essa faixa etária.

Dicas para ter uma boca saudável na terceira idade

Para complementar o acompanhamento do odontogeriatra, faz-se necessário adotar algumas práticas que podem contribuir para manter a boca saudável e higienizada. Veja algumas dicas.

Escova elétrica

Se o problema para a escovação for a questão de mobilidade que comentamos aqui, as escovas elétricas vão ajudar a fazer esse trabalho. Ela demanda quase nenhum esforço e garante que os dentes sejam muito bem limpos, como uma escovação tradicional;

Limpeza de implantes

Para aquelas pessoas que já possuem implantes dentários, os cuidados com a escovação também são de suma importância. Os implantes, por mais perfeitos e encaixados que sejam, acumulam resíduos, assim como os dentes permanentes.

É indispensável que a limpeza seja feita sempre após as refeições, com uso do fio dental, escovação e, se possível, enxaguantes bucais com flúor odontológico.

Limpeza de dentaduras

Para quem já precisou substituir total ou parcialmente os dentes com dentaduras, os cuidados podem parecer mais simples, mas ainda geram muitas dúvidas.

Por isso não deixe de lado o passo a passo que o seu dentista passou, como escovar a dentadura com pasta de dente, utilizar água e elixir de limpeza para garantir que ela estará livre de qualquer resíduo.  

Vale a pena ter um plano odontológico?

Os planos odontológicos garantem que, além da consulta regular com o dentista, você tenha acesso a uma série de outros serviços e tratamentos. Tudo isso poderia sair muito mais caro se forem feitos de forma particular.

Por isso, analise bem o seu perfil como cliente. Veja se há a possibilidade de contratar um plano odontológico que atenda às suas necessidades atuais e futuras emergências.

Não deixe de investir também na saúde da sua boca e tenha mais motivos para sorrir em qualquer idade.