Seg. a Sex. 9:00 às 18:00
(Horário de Brasília)

Seguro Auto x Carro Alienado

Imagem preta e branca de dois carros com a descrição "Seguro Auto x Carros Alienado"

Saiba a relação entre seguro auto e carros alienado.

Imagine que você comprou um carro novo. Escolheu o melhor modelo para seu perfil, os melhores atributos, planejou a compra com muito cuidado, concluiu que o financiamento é a melhor forma de pagamento, fechou a compra e contratou o seguro. Ao ir à mercearia, você deixa o carro poucos minutos estacionado na rua, porém ao voltar ele não está mais onde você tinha deixado. Você aciona a seguradora e eles o encontram desmontado. Te ligam e avisam que o o carro sofreu um sinistro e que a indenização é total. Porém o processo será diferente, porque o carro está alienado ao banco.

Você sabe o que é carro alienado? O que o financiamento tem a ver com o seguro? Como funciona a indenização? Leia este nosso guia e saiba todas as respostas.

Independente da forma de pagamento do seu carro, é importante ter um seguro auto para a proteção do seu bem. Com a cotação de seguro auto online você compara preços, coberturas e todas as assistências.

Formas de comprar um carro

Imagem com várias moedas com a descrição "Formas de Pagamento"

Veja as formas de pagamento do seu carro

Saber informações sobre a forma de pagamento do seu carro é importante para a contratação de um seguro. Como não é sempre possível comprar um veículo à vista, existem outras maneiras de realizar a compra: crédito direto ao consumidor, leasing e o consórcio.

 

Crédito Direto ao Consumidor (CDC)

O Crédito Direto ao Consumidor é nada mais do que um empréstimo com uma finalidade certa, feita por bancos públicos ou privados, conhecido como financiamento. O pagamento deste empréstimo é realizado em parcelas mensais estabelecidas na contratação. O veículo fica no nome do comprador, porém alienado (no próximo tópico vamos explicar melhor) ao banco até que todas as parcelas sejam quitadas. Os juros nesta modalidade giram em tornode 27% ao ano.

Não confunda essa opção com um empréstimo pessoal! Nessa outra opção, o dinheiro pode ser usado para qualquer finalidade.

Vantagens: O bem é adquirido pelo consumidor imediatamente, mesmo que ele não possua todo o dinheiro, sendo necessário apenas comprovar a renda. É possível receber descontos com o pagamento das parcelas antecipadas. Como elas são iguais, há a possibilidade de programar o orçamento todos os meses e não ter surpresas.

Desvantagens: Como garantia da dívida, o carro é transferido para a instituição financeira que concedeu o crédito. As taxas de juros são altas.

 

Leasing

O Leasing é uma espécie de contrato de aluguel de longo prazo: o banco realiza a compra do carro e dá ao condutor o direito de usá-lo com a opção de compra no final do contrato. Nele são descritas as formas de pagamento e como o condutor pode utilizar o veículo. Depois do pagamento das parcelas a pessoa que usa o veículo pode optar por adquirir o carro ou devolvê-lo ao banco. Caso ele escolha comprar o veículo, é necessário o pagamento do Valor Residual Garantido (VRG) que pode ser pago antes ou após o fim do acordo. O VRG é um valor presente no contrato destinado a garantir que a instituição financeira receba uma quantia mínima pelo investimento no negócio. Os juros giram em torno de 17% ao ano.

Vantagens: Não incide IOF sobre ele (imposto sobre operações financeiras). Os juros são  menores do que no Crédito Direto ao Consumidor.

Desvantagens: O condutor não pode realizar a venda do automóvel, pois ele estará em nome do banco. O veículo só pode ser quitado antes do fim do contrato após um período mínimo acordado.

 

Consórcio

O consórcio é uma espécie de poupança coletiva, cada membro contribui com um valor mensal proporcional ao veículo. O consumidor recebe o valor proposto se for contemplado no sorteio que ocorre mensalmente entre o grupo, mediante o pagamento das prestações. É possível que os membros ofereçam lances (que é o adiantamento das parcelas) e o maior lance será o vencedor.

Vantagens: Não há taxa de juros, mas sim uma taxa administrativa fixa. O participante pode ser sorteado e adquirir o bem sem possuir o valor total. Vale lembrar que ele continuará realizando o pagamento das parcelas de acordo com o tempo firmado em contrato.

Desvantagens: É necessário ser sorteado ou dar o maior lance para receber a carta de crédito e comprar o veículo. É indispensável o pagamento de todas as parcelas até o fim, caso contrário, há multas e o participante fica de fora do sorteio.

 

Alienação Fiduciária

Alienar alguma coisa, seja um carro ou um apartamento, significa que o bem está atrelado ao banco que financiou o pagamento dele. O bem se torna a garantia de que o banco não vai ficar no prejuízo se você não conseguir pagar as parcelas.

Este processo é uma negociação jurídica entre o devedor (fiduciante) e o credor (fiduciário). Neste caso, a alienação acontece quando a instituição financeira ou banco toma pra si, através de meios jurídicos ou legais.

Quando há a compra de um veículo pelo financiamento, o fiduciante dispõe à instituição financeira o próprio carro como segurança de pagamento da dívida. Caso ele não faça o pagamento das parcelas, o credor temo direito de apreender o veículo e vender a terceiros para quitar a dívida.

No documento do veículo financiado, segue a observação de alienação fiduciária, informando que o veículo ainda não está totalmente quitado. Com o pagamento de todas as parcelas, é dada a baixa neste gravame, o veículo é desvinculado da instituição financeira e transferido para o nome do comprador, que passa a ser proprietário.

 

Seguro auto

Imagem de cidade e rio vista de cima com a descrição "Seguro auto"

Tranquilidade e proteção para seu carro

O Brasil tem uma frota de mais de 50 milhões de veículos, com esta dimensão o tráfego oferece riscos para a integridade do veículo, como pequenas colisões, roubos, acidentes de trânsito, danos a terceiros e diversos outros. O seguro auto protege seu carro contra roubo e furto e garante a tranquilidade em caso de imprevistos.

Uma das principais vantagens da contratação do seguro é ter a garantia do reembolso (conforme firmado no contrato) e a transferência dos custos dos sinistros (acidente) para a seguradora.

Para entender como o carro alienado afeta no seguro, vamos falar sobre alguns itens.

Aqui na Bidu Corretora você consegue comprara as coberturas, franquias, indenizações e preços. Tudo para você contratar o melhor seguro auto para seu carro.

Franquia

Franquia é o valor fixo que o segurado arca para o conserto do veículo em caso de sinistros em que a indenização fica 75% menor do valor do bem. O principal motivo da franquia é manter a responsabilidade do segurado em caso de acidente. Vale ressaltar que quanto maior o valor da franquia, menor será o seguro.

Tipos de franquia

Básica – A seguradora que define qual porcentagem o segurado irá arcar em caso de sinistro.

Ampliada – O segurado geralmente arca com o dobro do valor da franquia básica, fazendo com que o valor do seguro seja mais barato. Indicado para motoristas prudentes e que não estacionam o carro na rua com frequência.

Reduzida – O segurado arca com metade do valor da franquia básica, porém o valor do seguro aumenta. Indicado, por exemplo, para quem tem histórico de imprudência e utiliza a rua para estacionar o carro.

 

Tipos de cobertura

As coberturas do seu seguro definem o que estará segurado em caso de um sinistro. Veja abaixo

Cobertura contra Incêndio e Roubo: A seguradora indeniza em caso de roubo, furto total, incêndio ou explosão do veículo. É um tipo mais básico e geralmente mais barato de cobertura, mas que não cobre colisão.

Cobertura Compreensiva: inclui a cobertura de incêndio e roubo, como também indeniza o segurado em caso de colisão. Cobre apenas os danos causados em seu próprio veículo. É a cobertura que geralmente estamos pensando quando falamos em seguro, e também a mais conhecida.

Cobertura de Danos a terceiros: Conhecida como RCF-V (Responsabilidade Civil Facultativo de Veículos), esta cobertura cobre danos causados pelo veículo a terceiros.

Cobertura em Acidentes Pessoais de Passageiros (APP): Pagamento da indenização por morte, invalidez permanente total ou parcial e de despesas médicas e hospitalares decorrentes de acidentes pessoais com os passageiros do veículo segurado.

Você pode também contratar coberturas adicionais, que não estão inclusas nas anteriores. Alguns exemplos que são oferecidos pelas seguradoras: carro reserva, conserto de blindagem e cobertura para acessórios do carro

 

Indenizações

Em caso de sinistro, pode haver a indenização parcial e integral.

Indenização parcial: Ocorre quando o valor total  dos danos ao veículo é inferior a 75% do valor do carro e pode ser reparado. A seguradora arca com os custos do conserto diretamente com a oficina. Ao segurado, cabe o pagamento da franquia descrita na apólice.

Indenização integral: Ela acontece quando a soma dos danos é superior a  75% do valor do veículo. A seguradora tem até 30 dias após a entrega da documentação para pagar a indenização ao segurado.

 

 

Seguro auto x Carro alienado

imagem de estrada com vários carros e a descrião "Seguro auto x carro alienado"

Qual a relação deste dois itens? Veja loo abaixo

A principal intenção de ter um seguro auto é a tranquilidade em caso de imprevisto. Porém, o que acontece em caso de sinistro com um carro que está alienado a uma instituição financeira?

O seguro é diferente entre carros quitados e carros financiados No caso dos alienados, o seguro passa a incluir além do cliente e a seguradora, a instituição financeira. A indenização em caso de sinistro ocorre de modo diferente, veja abaixo as maneiras possíveis.

1 – Pagar todo o financiamento: Na primeira maneira é necessário quitar todo o financiamento, só depois disso é possível receber a indenização total da seguradora.

2 – A seguradora efetua o pagamento: No segundo modo, é a seguradora quem realiza o pagamento das parcelas restantes do financiamento, utilizando o limite máximo da indenização. Se houver um valor residual, ele é pago ao segurado.

3 – Substituir o bem da dívida: A terceira maneira é indicada para aqueles que não podem quitar a dívida ou tem um saldo muito alto que a indenização não consegue cobrir. O segurado tenta negociar com a instituição financeira, informando que deseja usar a indenização integral para substituir o bem da dívida. Se for aceita, a indenização será paga à instituição financeira, o segurado irá adquirir outro carro no lugar do veículo que ocorreu o sinistro e continuará pagando as prestações. A instituição financeira não é obrigada a aceitar esta proposta e pode colocar regras para que ela aconteça.

 

Perguntas frequentes

Imagem de Curitiba de cima com a descrição "dúvidas?"

Ainda tem alguma duvida sobre esse assunto? Veja logo em seguida

1 – O que acontece com a falta de pagamento do financiamento?

O credor pode solicitar  a busca e apreensão do seu veículo, isto é, tomar o bem judicialmente, a fim de vender e quitar a dívida, já que ele é uma garantia de pagamento.

A instituição financeira pode solicitar a apreensão a partir da primeira parcela inadimplente, desde que seja comprovada a falta de pagamento. Após isso, o juiz irá expedir um mandado de busca e apreensão que deverá ser cumprido por um oficial de justiça.

O devedor, a fim de se proteger, pode realizar o pagamento da dívida ou defender-se da ação. Caso não seja quitado o valor atrasado em cinco dias, o credor passa a ter propriedade plena do veículo, podendo vendê-lo para pagar a dívida .

Caso você receba um mandado de busca e apreensão, converse com um advogado sobre seus direitos e deveres.

2 – Posso comprar um veículo alienado?

Sim, não há problemas. Se na compra de um veículo usado você verificar no documento a expressão “alienação fiduciária”, ele ainda possui parcelas pendentes no financiamento.

Veja os dois caminhos usuais para realizar a compra do veículo alienado.

1 – O dono atual do veículo solicita e paga a antecipação das parcelas que ainda estão pendentes. Só então passa o carro para seu nome.

2 – Você realiza o pagamento para o dono atual de todas as parcelas que ele já pagou o financiamento e você assume o valor restante. Neste caso, é fundamental que seja feito um contrato com a financeira e seu crédito aprovado, só depois disso o veículo seja passado para seu nome.

3 – Posso devolver o carro e quitar o financiamento?

Se você realizou o financiamento do seu carro, mas não conseguiu pagar as parcelas, pode ter de devolver o seu veículo para o credor. Neste caso, a instituição financeira irá vender o carro (em um leilão por exemplo), porém o preço será menor daquele praticado no mercado, pois ele já foi usado e perdeu parte do seu valor. Com o dinheiro recebido na venda, o credor irá pagar os custos operacionais e abaterá o saldo que ainda falta a pagar no financiamento. Porém é necessário ficar atento, já que o valor da venda pode não cobrir as parcelas restantes, por isso solicite o termo de quitação.

+ Carro de leilão faz seguro? Tire suas dúvidas

4 – Quando passo a ser proprietário do carro alienado?

O condutor passa de fato ser proprietário do veículo quando quitar todas as parcelas do financiamento. A instituição financeira deve fazer a comunicação para os órgãos de trânsito a fim de retirar a expressão “alienação fiduciária” do documento do carro.

+ Como transferir documentos do carro?

5 – O que acontece se a dívida do financiamento passar o valor da indenização?

Pode ser que o pagamento da indenização após o sinistro não cubra o valor restante do financiamento. Neste caso, cabe ao segurado negociar com a instituição financeira o pagamento através da “substituir o bem da dívida” ou de outra maneira.

 

Tenha uma proteção contra diversos acidentes para você e seu carro. Faça uma simulação de seguro carro online, compare preços, coberturas e assistências.

+ Qual a diferença entre veículo leve e veículo pesado?