Seg. a Sex. 9:00 às 18:00
(Horário de Brasília)

Exame toxicológico CNH: o que é e quais mudanças podem surgir

Imagem do trânsito para ilustrar post sobre exame toxicológico CNH

Exame toxicológico CNH: o que é e quais mudanças podem surgir

Não faz muito tempo, mas a renovação do exame toxicológico CNH se tornou obrigatória por lei aos motoristas de ônibus e caminhão. O que isso tem a ver com quem dirige carros e motos? Nada, por enquanto.

Há um projeto de lei em andamento que pode tornar o exame toxicológico necessário a todos. Como assim? Fique conosco que vamos trazer todas as informações que você precisa saber!

Para explicar, o exame toxicológico CNH tem como objetivo detectar alguma substância ilícita ingerida pelo motorista nos últimos 90 dias.

Ou seja, diferentes tipos de drogas que podem comprometer a capacidade de dirigir.

No exame, coleta-se fios de cabelo ou pedaços de unha para análise em um laboratório credenciado pelo DENATRAN.

+ Conheça o projeto de lei que prevê a habilitação imediata para quem tiver a CNH furtada

Em março de 2015, houve a sanção da Lei 13.103/15 na qual o exame toxicológico para renovar CNH se tornava obrigatório nas categorias C, D e E, os veículos maiores.

Voltada, em especial, para os motoristas que passam horas nas rodovias de todo o país.

Ao todo, são quatro os casos previsto por lei que se precisa realizar o exame toxicológico nas categorias C, D e E:

  • Tirar a primeira CNH em alguma das categorias acima;
  • Renovar CNH;
  • Quando chegar na metade da validade da CNH;
  • Admissão ou demissão de motoristas profissionais.

Novo projeto de lei, novas regras para o exame toxicológico CNH

Em discussão há dois anos, o projeto de lei 6187/2016 visa colocar o exame toxicológico como pré-requisito para todos que tirarem a primeira CNH.

Isso mesmo: independente da categoria, podendo ser A, de moto, ou B, de carro, o exame se tornaria obrigatório.

Além disso, o exame toxicológico para renovar CNH seria necessário também para os motoristas profissionais, como taxistas e mototaxistas.

Caso o condutor que exerça alguma atividade remunerada não possuir o exame na CNH, será punido com uma infração gravíssima e passível de multa.

Na prática, o exame seria exigido seis meses após a primeira CNH e mais seis meses para renovar a CNH dos motoristas profissionais das categorias A e B.

Atualmente, o PL está na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania e, se aprovado, vai para o Senado.

Tem dúvidas de como renovar a CNH? Já conhece a nova habilitação? Clique aqui e saiba tudo em nosso resumão!