Seg. a Sex. 9:00 às 18:00
(Horário de Brasília)

Limite de velocidade e os acidentes de trânsito

Imagem de trânsito para ilustrar post sobre Limite de velocidade e os acidentes de trânsito

Limite de velocidade e os acidentes de trânsito

A redução do limite de velocidade das ruas se tornou, nos últimos anos, um assunto recheado de polêmica. Houve os que adotassem a ideia, enquanto outros a refutaram. Mas os fatos não mentem. O limite de velocidade e os acidentes de trânsito estão diretamente ligados. E, quem implantou a medida de tirar o pé nas principais vias, constatou que vidas foram salvas. Mas como?

Para quem não sabe, a diminuição do limite de velocidade é, sim, uma recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Por quê? Simples: o corpo humano não está preparado para impactos em alta velocidade à bordo de um veículo de uma tonelada. Não é mistério, é física.

Inclusive, 114 países já enxergaram que reduzir a velocidade nas ruas causará benefício e mais segurança aos seus motoristas e pedestres. Estados Unidos, Noruega, Dinamarca, Austrália são alguns dos exemplos.

Na terra do canguru, a partir do ano de 2005 o limite de 50 km/h se tornou padrão nacional nas vias arteriais. Resultado? A queda de 40% no número de mortes no trânsito.

Como metrópole, uma cidade que adotou a redução do limite de velocidade foi Nova York. Em 2013, 299 pessoas morreram no trânsito, já em 2017 o índice caiu para 214 vítimas.

O número de mortos de pedestres também abaixou progressivamente. No ano passado, alcançou-se a menor contagem desde o começo do estudo: 101 mortes. Em 1910, por exemplo, primeiro ano de registro, a estatística chegou a 332 vítimas. Atualmente, o limite de velocidade de todas as ruas em NY é de 40 km/h.

No Brasil, o limite de velocidade e os acidentes de trânsito têm relação?

 Bastante! O caso de São Paulo é emblemático nesta questão. Houve a redução do limite de velocidade e, alguns anos depois, um novo aumento. Em um primeiro momento, o limite da maioria das vias arteriais foi diminuído para 50 km/h. Com a redução, uma queda de mais de 50% no número de mortes. Após o novo aumento, um crescimento de 26%.

Embora o limite tenha sido revisto nas marginais, muitas outras ruas não foram alteradas devido a vantagem que trouxe aos paulistanos.

Recentemente, Fortaleza também readequou uma importante via arterial ao máximo de 50 km/h.

Mas… E o aumento no número de multas?

 Por mais que seja uma consequência, importante notar os impactos que a redução do limite de velocidade trouxe a cidades ou países. Assim, é possível ter ciência dos reais benefícios conquistados.

Apesar de que o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) determine que a máxima nas vias arteriais seja de 60 km/h, esta é uma regra estabelecida em 1998. Ou seja, de duas décadas atrás. Cidades estão implantando reduções na velocidade e notando estatísticas de vítimas caírem.

Não há dúvida: limite de velocidade e os acidentes de trânsito estão ligados. E diminuir o limite de velocidade causará menos acidentes de trânsito e, sobretudo, garantirá mais segurança a todos.

Conheça mais sobre a multa de trânsito.

+ Valor das multas por velocidade