Seg. a Sex. 9:00 às 18:00
(Horário de Brasília)

Perda total de veículo financiado: como funciona a indenização?

Perda total de veículo financiado, como funciona?

Aprenda como funciona a indenização de perda total de veículos financiados com a Bidu Corretora

Bater um carro financiado é um pesadelo para quem ainda tem uns bons meses de parcelas para pagar. O seguro auto existe justamente para proteger você desse tipo de prejuízo e muitos outros.

No entanto, o pagamento do sinistro de um veículo financiado tem regras um pouco diferentes. Quando você sofre uma perda total num veículo quitado, a seguradora deposita o valor combinado da indenização e você utiliza o dinheiro como bem entender. Com um veículo financiado, esse pagamento pode acontecer de uma maneira diferente.

Conheça abaixo como funciona a indenização de perda total de veículo financiado.

Diferentes opções na indenização

Como um veículo financiado não pertence legalmente a você, e sim à financeira onde você fez o parcelamento, a seguradora tem que tomar alguns cuidados legais. Isso porque a seguradora usa o carro sinistrado para cobrir parte do prejuízo, então ela precisa passar o carro para o seu nome.

Apesar de parecer complicado, esse processo é simples e as companhias, tanto financeiras quanto as seguradoras, fazem isso milhares de vezes ao ano. Para então você receber a indenização de perda total de um veículo financiado, você tem as seguintes opções:

a.) Você quita o saldo devedor e recebe a indenização da seguradora.

Exemplo: o seu carro é roubado na porta da churrascaria no domingão. Você ainda tem R$ 15 mil de um total de R$ 60 mil financiado. Com as suas reservas, você quita o saldo pendente e a seguradora paga a indenização de perda total para você. Essa indenização é de acordo com o modelo contratado, o mais comum é de acordo com a Tabela FIPE.

Nesse modelo, não tem muito segredo, já que você está quitando o carro antes de receber o valor de volta. No entanto, essa é uma opção um pouco mais difícil para quem não tem reservas para quitar o saldo devedor, principalmente no começo de um financiamento.

b.) A seguradora paga a indenização para a financeira e a diferença, se houver, para você

Exemplo: seu carro é roubado na porta da churrascaria no domingão. Você ainda tem R$ 15 mil de um total de R$ 60 mil financiado. O valor do seu carro na Tabela FIPE é de R$ 50 mil reais. A seguradora quita os R$ 15 mil que estavam faltando no financiamento e a diferença, isso é, R$ 35 mil, vão para você.

Esse é o modelo mais comum, já que geralmente é difícil conseguir quitar um financiamento de carro de uma vez num momento de aperto. Geralmente, a diferença recebida é suficiente para dar entrada num novo veículo, mesmo para financiamentos muito recentes.

c.) Substituição da garantia com a financeira

Esse terceiro método é de longe o menos comum e é indicado para quem não consegue quitar ou para quem a diferença entre o saldo devedor e a indenização fique muito grande. Ele é um acordo entre o segurado e a loja que lhe vendeu o carro, que deverá ser informado para a seguradora antes da indenização.

Funciona assim: o segurado vai até a loja e negocia a substituição de garantia. A financeira só pode dar baixa no gravame, documento que consta o seu ônus financeiro, com a quitação do valor ou com substituição de garantia. A loja então aliena o carro no lugar do sinistrado, que dá baixa. O segurado recebe o valor do sinistro e repassa à loja, liberando o carro, que fica alienado no lugar do anterior.

Complicado, não?

As lojas de veículos não são obrigadas a trabalhar com esse modelo, embora algumas façam. Como esse modelo traz um risco muito grande para a loja, isso é, o veículo é alienado à financeira antes da indenização ser recebida, muitas lojas optam por não trabalhar com ele.

Cuidados na hora de contratar um seguro para carro financiado

O principal cuidado que deve ser tomado, na verdade, é com o valor do financiamento. Um carro financiado por exemplo, em 5 anos, com 50% de juros em relação ao preço total pode ser um risco muito grande na hora de um sinistro.

Isso porque o seguro auto tem como função ressarcir as perdas com o bem. Os juros do financiamento são parte de uma operação financeira realizada entre você e a empresa responsável pelo crédito. Portanto, na hora de um sinistro, você só deverá receber o valor do veículo, corrigido de acordo com a Tabela FIPE, e não o valor dos juros.

Por isso, muito cuidado na hora de financiar um veículo. Entenda mais sobre as diferentes modalidades de financiamento de veículo e qual escolher.