Você já ouviu falar em Reforma de Rodas?

Imagem de roda de carro para texto sobre reforma de rodas

Você já ouviu falar em Reforma de Rodas?

Antes mesmo de responder a pergunta sobre reforma de rodas, você sabe para que serve a roda do seu carro? Se disse que é para fazê-lo andar, acertou parcialmente a resposta. 

Muito mais do que apenas fazer o carro andar ou embelezá-lo, a roda é responsável por transmitir ao solo – junto com o pneu – toda a força gerada pelo motor e pelos freios. Além disso, ela suporta todo o peso do veículo nas acelerações, desacelerações e nas curvas. E não é só. As rodas também ajudam na refrigeração do sistema de freio, direcionando ar fresco para seus componentes.

Cotação online de Seguro Auto

Rodas recebem impacto o dia inteiro

Mais uma pergunta: você já conferiu alguma vez o estado das rodas do seu carro? Infelizmente, com a qualidade do asfalto das ruas brasileiras, as rodas passam o dia levando verdadeiras surras dos buracos. Elas que recebem o impacto e, por serem rígidas, podem se deformar facilmente, comprometendo consideravelmente a sua segurança.

Há também a parte estética. Quem nunca ralou a roda na sarjeta durante uma manobra? Este tipo de dano não afeta a segurança, mas compromete o visual do veículo. Para os amantes de automóveis, dói mais do que na própria pele. Também é possível apenas fazer uma pintura, mudando a cor da roda. A boa notícia é que existem diversas lojas especializadas em reforma de rodas.

Quando fazer uma Reforma de Rodas

Vibrar não é legal

O primeiro sinal de que algo está errado com as rodas do seu carro é a vibração do volante em velocidades mais altas. O ideal é levar em uma oficina que faça alinhamento e balanceamento para verificar. Uma vez constatado um dano na roda, deve-se procurar uma empresa especializada em reforma de rodas para uma avaliação.

As rodas podem ser de aço ou de liga leve de alumínio e silício. No caso das de aço, não vale a pena o conserto, uma vez que são baratas. O mais correto é substituir. Já as de alumínio são mais caras e têm material maleável, o que torna viável o reparo. No entanto, nem sempre é possível fazer a reforma.

Se trincar é lixo

É o caso das rachaduras ou trincas. Por menores que sejam, não vale o risco. O ideal nestas horas é substituir. Em 2015, o cantor sertanejo Cristiano Araújo faleceu em um acidente causado pela quebra de uma das rodas de seu Range Rover Sport. A roda de aro 22, que não era original, tinha dez pontos de solda e quebrou, causando o desprendimento do pneu e a perda de controle do veículo, que estava em alta velocidade.

Os pequenos amassados ou empenamentos – causados por impactos em buracos – são mais tranquilos de se consertar. Para desamassar, basta aquecer o local com um maçarico para amolecer a liga de alumínio e depois desentortar, exercendo pressão sobre o local. Já as rodas empenadas vão para um torno, que corrige as imperfeições.

Adeus, arranhão!

No caso dos ralados na face da roda, também é preciso uma avaliação. Não é recomendado reparar arranhões com mais de três milímetros de profundidade. Nos danos menores, é feita uma pequena solda, que depois é lixada até ficar uniforme. Após os três tipos de conserto, as rodas passam por um banho químico que retira toda a tinta, oxidação e sujeira impregnadas, deixando-as prontas para a pintura.

Eletrostática é melhor

A pintura mais recomendada na reforma de rodas é a eletrostática, a mesma utilizada pelos fabricantes. Nela, a roda recebe uma carga elétrica oposta à da tinta em pó, que acaba se fixando de forma mais uniforme e com grande velocidade. A roda é então levada a um forno na temperatura de 250 graus. Lá, a tinta se liquefaz e posteriormente endurece, formando uma película resistente e com ótimo acabamento. Rodas pintadas pelo método comum têm pintura menos resistente e descascam com mais facilidade.

A moda é roda escura

Até pouco tempo atrás, as rodas de alumínio eram quase todas prateadas. Nos últimos anos, contudo, o grafite e o preto vieram com tudo e estão na moda. Há desde carros populares até superesportivos usando tons escuros. A mudança de cor é um investimento que vale a pena e valoriza o carro.

Outro tipo de reforma de rodas muito comum é a diamantação. Depois de pintada, a roda é colocada em um torno e uma ferramenta chamada diamante (daí o nome) faz a usinagem da sua face, dando um aspecto brilhante e uniforme. Normalmente é usada uma cor escura no fundo da roda para que a diamantação faça o contraste.

Reforma de rodas é amiga do bolso

Uma simples pintura demora, em média, três dias para ser executada e custa entre R$ 150 e R$ 250 por roda. Em rodas maiores de carros importados, o valor pode chegar a R$ 500 por roda. Para os outros reparos, o tempo de serviço chega a cinco dias. O preço sobe um pouco e atinge até R$ 400 por roda.

Muitas oficinas emprestam rodas e pneus durante o reparo, o que permite que você continue a utilizar o carro. Um novo balanceamento de roda deve ser executado após a reforma. Vale também conferir o alinhamento de direção, mesmo ele não sendo afetado durante o reparo de rodas. Assim, seu carro já sai com a geometria totalmente correta.

Um jogo de rodas original de um carro médio custa por volta de R$ 5.000 na concessionária. Nos importados, a conta pode chegar facilmente nos R$ 20.000. Ou seja, por uma fração deste valor, a reforma de rodas ajuda a valorizar o carro e ainda devolve a segurança para você e sua família.

Rodas em dia e Seguro também

Se o investimento em reforma de rodas está no seu planejamento, certamente o seguro auto também está. Hoje em dia existem diversas opções e formas de contratar um seguro de carro. Faça uma simulação de seguro auto online e encontre o melhor para você.




Última atualização em 18/12/2019