Seg. a Sex. 9:00 às 18:00
(Horário de Brasília)

Vai comprar um bafômetro portátil? Melhor pensar duas vezes

Esse é o bafômetro usado pela polícia brasileira. Saiba em quais aspectos ele é diferente do bafômetro portátil.

Vai comprar um bafômetro portátil? Melhor pensar duas vezes

 

Não tem jeito: desde que existem carros, sempre tem um espertinho que acha que beber e dirigir é uma combinação inteligente… mas não é. Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 40 mil pessoas morreram em 2013 em acidentes de trânsito, além de cerca de 200 mil que ficaram feridas gravemente. Boa parte disso em função de gente dirigindo embriagada. Por isso veio a Lei Seca e o resto você já sabe: se você for parado e demonstrar qualquer sinal de embriaguez, você vai ter que soprar o bafômetro.

(Como esse blog é de uma corretora de seguros, você pode estar se perguntando: meu seguro auto cobre se eu bater o carro embriagado? A resposta é não. Você estaria agindo não só em desacordo com as leis de trânsito como também estaria se expondo indevidamente ao risco de uma batida. As seguradoras, em sua maioria, oferecem serviços de “motorista amigo” para dias em que você passou da conta.)

A partir disso, proliferaram no mercado vários tipos diferentes de bafômetro digital portátil. A ideia por trás dos dispositivos não é de toda errada: com um bafômetro portátil, você pode identificar se está muito embriagado para dirigir e procurar uma alternativa (não é a melhor ideia: caso você esteja saindo para beber, já planeje de antemão como você vai voltar, seja de carona, transporte público ou táxi). Porém, antes de comprar, saiba na loja ele vai parecer melhor do que será em sua utilização.

O problema é que esses aparelhos não tem o mesmo processo minucioso e extremamente científico de calibragem dos aparelhos usados pelos policiais (acha que estamos exagerando? Olhe esse documento do Inmetro sobre os requisitos técnicos). Além disso, esses aparelhos tem peças muito frágeis que podem quebrar em impacto se não forem manuseadas corretamente. Por último, diferente dos bafômetros usados pela polícia, o bafômetro portátil não leva em conta fatores como:

  • Diferentes tamanhos de pulmão: como o nível de álcool no sangue é medido pela concentração no ar que sai dos pulmões, pessoas com maior capacidade pulmonar expiram mais ar e o álcool fica mais diluído.
  • Massa corporal: obviamente, alguém que toma 2 cervejas e pesa 60 kg terá uma leitura diferente do que uma pessoa de 120 kg que tenha consumido a mesma quantidade. Além disso, outros fatores como a massa muscular, por exemplo, pode afetar a leitura do álcool. Duas pessoas de 80 kg podem ter leituras muito diferentes.
  • Saúde e estilo de vida: fumantes, diabéticos e pessoas com diabetes ou com doenças do fígado podem ter sua leitura afetada. Além disso, algumas pessoas metabolizam o álcool mais rápido que outras.

Portanto, prefira não se arriscar. Mesmo que o seu bafômetro portátil aponte que você pode dirigir, o bafômetro da Polícia pode apontar um resultado completamente diferente. Então, se for dirigir deixe o carro na garagem de casa (Curiosidade: carros que passam a noite na garagem pagam menos no seguro auto que carros que passam a noite na rua. Quer saber quanto fica o seu seguro auto? Faça uma cotação online agora!)